quarta-feira, 6 de março de 2013

Palavra pastoral de 06 de Março de 2013.


PECADOS CONTRA O ESPÍRITO SANTO

EXTINGUIR E BLASFEMAR AO ESPÍRITO SANTO.

PARTE III

TEXTO DE REFERÊNCIA: Hb. 3.7.12.

Introdução:

Chegamos ao final da trilogia dos “Pecados contra o Espírito Santo.” Aprendemos quatro pecados que interferem na nossa comunhão com Deus e o seu espírito: resistir, agravar, entristecer e mentir. Entramos hoje na mais complexa identificação do que poderia ser o imperdoável pecado ao Espírito Santo. Quando lemos em Jo. 15.22,24, passamos a abrir o horizonte de compreensão dos pecados que podem e que não podem ser perdoados. Nosso maior objetivo ao ministrar este tema é advertir aos servos de Deus, que podemos em algum momento cometer erros se não permanecermos vigilantes, que por sua vez poderá interferir diretamente em nosso bem está diário, podendo chegar ao comprometimento de nossa salvação.

·                     EXTINGUIR O ESPÍRITO. Em um relato bíblico de 1º Ts. 5.19, enxergamos este pecado, “extinguir o espírito”, que tem se tornado prática de alguns nos últimos dias. O termo extinguir leva ao sentido colateral de apagar aos poucos uma chama, um fogo que está a arder. Portanto extinguir é impedir, suprimir, e limitar a manifestação do Espírito Santo, desde que não se correlacione a meninices ou a ritualismos desordeiros 1º Co. 14.40, temos que primar pelo agir em liberdade do Espírito em um indivíduo, sempre ressaltando que este espírito esta sujeito a ele mesmo. 1ª Co. 14.32. O extinguir o Espírito Santo, esta relacionado com a perda do primeiro amor relatado em Ap. 2.4, que por sua vez leva a mornidão da igreja, passando apenas a viver de lembranças outrora vividas. Vale ressaltar que a prática do extinguir o Espírito está relacionada ao compromisso individual de cada um com Ele, devendo assim de forma individual, buscarmos o retratamento e a reaproximação ao Espírito Santo.

·                     BLASFEMAR AO ESPÍRITO. Este assunto trata-se do pecado imperdoável, que por sua vez esta relacionada ao presenciar e testemunhar feitos pelo poder de Deus, e atribui-los aos demônios. Pois este feito caracteriza uma rejeição da manifestação clara do poder de Deus transferindo-as a obras de satanás. Em Mc. 3.22-30, e Mt. 12. 22-32 relata a colocação do próprio Jesus ao que se diz blasfêmia e suas consequências. Blasfêmia geralmente se define por “Irreverência desafiante”, ou seja, uma vez que Irreverência significa, “Falta de respeito” podemos dizer então que Blasfêmia é desafiar o Espírito Santo de forma desrespeitosa ou acusatória; perdendo assim o perdão de Deus. Lc. 12.10. A blasfêmia contra o Espírito Santo é a consequência das sequencias dos pecados que tratamos nos dois últimos estudos, que gera em nós a falta de temor e amor a Deus, chegando a este estágio sem volta, e se tornado *réprobo da fé. 2º Tm. 3.8.


CONCLUSÃO:

O pecado ao Espírito Santo acontece quando o ser humano fica cego e insensível a Ele, em Mt. 23.16,17,19,24 e 26. Fica claro o que ocorre na cegueira espiritual. O que se torna fato, é que não podemos pecar em nenhum instante, nem contra Deus ou contra o seu Espírito. A busca a santidade e de uma vida reta deve fazer parte de nossa procura diária, objetivando a santidade e matando o pecado. A santificação do homem consiste em estar unido a Deus na forma devidamente ensinada por Cristo, mas o seu sentido específico, chamado de "santo”, só é alcançado aos que são dotados de inteligência e vontade espiritual que discernem facilmente o certo do errado, permitindo assim a praticar e realizar sua união com Deus de forma consciente e livre sem pecado ou mácula. Ef. 1.4.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AS DUAS ÁRVORES

Texto de referência: Jo. 15.1-22. Introdução: A natureza, e tudo que existe em sua volta, são constantemente apresentadas e co...